Serviço de Psicologia e Orientação

Os Serviços de Psicologia e Orientação, ou SPO como são muitas das vezes designados, são unidades especializadas de apoio educativo, integradas na rede escolar que articulam com a comunidade educativa, corpo docente e não docente, pais e encarregados de educação, e todos os outros agentes educativos do meio envolvente.

Segundo as competências definidas pelo Decreto-Lei 190/91 de 17 de maio de 1991, e as últimas Orientações para o Trabalho em Psicologia Educativa nas Escolas (2018) os Serviços de Psicologia e Orientação desenvolvem atividades específicas no âmbito dos três domínios de intervenção:

  • Apoio psicopedagógico a alunos e professores:
      • Visa contribuir para o desenvolvimento integral do aluno ao intervir ao nível psicológico e psicopedagógico, ao observar, analisar, identificar, avaliar, apoiar e desenvolver competências ao longo do seu percurso escolar;
    • Intervém em problemáticas como são exemplo as dificuldades de aprendizagem gerais e específicas, a relação interpessoal, os problemas de comportamento, as perturbações de desenvolvimento e de personalidade, entre outras. Sempre que a problemática apresentada exija um tipo de apoio mais diferenciado, será efetuado o devido encaminhamento (psicologia clínica, pedopsiquiatria, etc.), devendo ainda assim existir sempre articulação entre os serviços;
    • Engloba a intervenção direta individual ou em grupo com os alunos, como também o trabalho colaborativo com docentes na organização de respostas educativas diferenciadas e medidas de suporte à aprendizagem e à inclusão. A intervenção deverá, sempre que possível, assumir um caráter preventivo em detrimento do remediativo.

 

  • Orientação escolar e profissional:
    • Visa o acompanhamento do aluno no processo de desenvolvimento da sua identidade pessoal e do seu projeto de vida através da capacitação, identificação de capacidades, competências e interesses e da tomada de decisão;
    • Apoia os alunos no desenvolvimento de estratégias para a gestão da formação e carreira, e nas transições entre e dentro da educação e formação;
    • Tem particular incidência no 3º ciclo, embora possa ser desenvolvida desde mais cedo, e engloba atividades específicas e diversificadas como: a realização de ações de informação sobre o sistema educativo e formativo e sobre a oferta existente para os alunos, a realização de ações de informação e sensibilização sobre os aspetos ligados à tomada de decisão, para pais, encarregados de educação e outros agentes educativos, e o acompanhamento e a colaboração na organização de visitas de estudos e outras atividades de exploração de interesses vocacionais.

 

  • Apoio ao desenvolvimento do sistema de relações de comunidade escolar:
    • Visa a colaboração na criação de ambientes de aprendizagem positivos, seguros e saudáveis, com base no bem-estar, mobilizando os diversos agentes educativos, entidades e serviços da comunidade;
    • Colabora, na sua área de especialidade, com os órgãos de direção, administração e gestão da escola através da elaboração de projetos, documentos e pareces e com os docentes, pais ou encarregados de educação e outros agentes educativos, na perspectiva do aconselhamento psicológico e psicoeducacional através da realização de reuniões, da participação nos conselhos de turma e na organização de ações de formação.
    • Articula com outros serviços e recursos da comunidade e colabora na relação de protocolos e parcerias com outros agentes da comunidade;
    • Promove e fomenta o trabalho em equipa e a mobilização de estratégias conjuntas entre os vários agentes na resolução de problemas da comunidade educativa.

 

Quem pode recorrer ao SPO e como:

Qualquer elemento da comunidade educativa, alunos, pais e encarregados de educação, docentes e não docentes podem solicitar o apoio do SPO quando assim o considerem necessário.

Os atendimentos deverão ser agendados antecipadamente, sempre que possível, podendo os interessados contactar através de telefone, email e/ou do/a diretor/a de turma.

Os pedidos de encaminhamento para o SPO, seja para acompanhamento ou avaliação obedecem ao preenchimento de formulário próprio. Deverão ser enumeradas de forma sucinta mas específica as razões do pedido, bem como anexadas, sempre que se considere pertinente, quaisquer informações (relatórios, fichas, etc.) que auxiliem na compreensão do mesmo. O formulário pode ser preenchido por pais e encarregados de educação, docentes ou outros agentes educativos, e deverá ser entregue na direção. Poderá ser solicitado, sempre que necessário, o apoio do professor titular de turma e/ou diretor de turma no processo de encaminhamento.

Após recepção do pedido e respetiva triagem, as técnicas entrarão em contato com os encarregados de educação.

 

Localização:

O SPO dispõe de um gabinete de atendimento localizado no 1º andar do bloco A, sala 13 (A13) junto à direção, na escola sede do agrupamento.

 

Horário de funcionamento/atendimento:

Segunda a Quinta-feira: 9.00h às 13.00h e das 15.00h às 17.00h

Sexta-feira: 9.00h às 13.00h

 

Contactos:

Telefone geral: 269590040

E-mail: spo@aepal.pt

Psicóloga Andreia Henriques: andreia.henriques@aepal.pt

Psicóloga Patrícia Camacho: patricia.camacho@aepal.pt

 

Autonomia técnico-científica:

Os profissionais que integram o SPO dependem do órgão de gestão e administração, sem prejuízo da sua autonomia técnica e científica e do respeito pela sua deontologia profissional.

 

Ética profissional:

Os psicólogos desenvolvem e regem a sua prática com base no conjunto de princípios e deveres enunciados no Código Deontológico dos Psicólogos Portugueses. Respeitam na sua prática as normas éticas e deontológicas, nomeadamente a salvaguarda da privacidade dos alunos e das suas famílias, bem como o respeito pelas suas decisões.